Quarta-feira, 08 de abril de 2020   
 
 
 
 

25 de novembro de 2019

A retomada da Floresta


O desafio do reflorestamento de Mariana à foz do Rio Doce ainda vai longe, mas já é possível ver brotar o verde nas áreas atingidas pelo rejeito
 

Desastre do rompimento da barragem de Fundão, em Mariana (MG), e seu impacto sobre vidas, ecossistema e economia também gerou uma mobilização da sociedade, governo e entidades para criar soluções inovadoras que podem ser modelo para a governança de crises ambientais no país

Há quatro anos, em um dia 5 de novembro, 40 milhões de metros cúbicos de rejeitos armazenados na Barragem do Fundão escorreram da estrutura e foram arrastando tudo pelo caminho, deixando um rastro de desolação e tristeza. O desastre foi se espraiando, deixando sua marca nas terras dos distritos de Mariana, Bento Rodrigues, o mais atingido, e Paracatu de Baixo, além de Gesteira, este, distrito de Barra Longa. O rejeito foi, em parte, contido na represa da Usina Hidrelétrica Risoleta Neves, também conhecida como Candonga, e seguiu pelas águas do Rio Doce até desaguar no Oceano Atlântico, completando um percurso de 670 quilômetros.

Até então, o Brasil não tinha experiência em lidar com um desastre dessa magnitude. Foi preciso criar uma organização capaz de enfrentar a crise social, ambiental e econômica gerada pelo desastre. Foi costurado um acordo entre órgãos federais, como o Ibama, a Agência Nacional de Águas (ANA) e o ICMBio e os órgãos fiscalizadores dos governos dos Estados de Minas Gerais e do Espírito Santo e das prefeituras dos municípios impactados, além de representantes dos Comitês de Bacias e das empresas Samarco, Vale e BHP. Por esse acordo foi criada a Fundação Renova uma organização voltada para mapear os impactos e executar todas as ações necessárias para reparar e compensar as comunidades afetadas, além de promover a recuperação da economia e dos danos aos ecossistemas.


Rio Doce na região de Governador Valadares

Esse modelo de governança compartilhada foi pensado para oferecer a participação dos envolvidos nos processos decisórios. Certamente essa não é uma tarefa fácil e muito menos sem conflitos, no entanto foi o desafio assumido, principalmente porque nenhuma solução seria adequada se o arranjo de governança não incluir as vozes da sociedade.

E essa relação tem sido vital para programas como do de reflorestamento das margens dos rios e cursos d’água atingidos pelo rejeito. A recuperação das matas ciliares precisa superar os danos provocados pelo rejeito de mineração, mas também a degradação de décadas de descaso com os rios da região, que recebiam todo tipo de despejo de esgotos urbanos e resíduos da agricultura e pecuária.

O compromisso da Fundação Renova é de reflorestar 40 mil hectares de florestas na bacia do Rio Doce ao longo de 10 anos, isso equivale a 400 km² ou quase um terço da área do município de São Paulo. Para a tarefa, um dos maiores programas de restauração florestal em bacia hidrográfica no mundo, foi formado um convênio com especialistas e professores ligados às universidades Federal de Viçosa (UFV) e Federal de Minas Gerais (UFMG). O montante de recursos destinados para essa empreitada é de R$ 1,1 bilhão.


Espécies nativas de rápido crescimento plantadas para conter a erosão

Os estudos realizados nas regiões a serem reflorestadas mostraram que nem sempre remover o rejeito que se espalhou por grande parte dessa área é a melhor escolha. Como explica Juliana Bedoya, líder das ações de manejo de rejeitos da Fundação Renova: “Da Usina Risoleta Neves para frente, o rejeito está em camadas de centímetros. A utilização de equipamento pesado para retirar essa camada fina traria impacto ainda maior. A ideia então foi monitorar o comportamento do rejeito ao longo do rio e acompanhar a evolução do ecossistema”.

A primeira etapa do reflorestamento tem foco nas margens dos rios Gualaxo do Norte e do Carmo, entre as cidades de Mariana e Santa Cruz do Escalvado, em áreas que foram diretamente atingidas pelo rejeito. A opção foi por espécies nativas da Mata Atlântica de rápido crescimento, que formam um bloqueio para a erosão em território de cerca de 800 hectares já muito fragilizados. Essa área representa cerca de cinco vezes o Parque Municipal do Ibirapuera, em São Paulo, ou o equivalente a pouco menos do que 800 campos de futebol.

Um estudo coordenado pela professora Maria Catarina Kasuya, doutora em Microbiologia Agrícola da Universidade Federal de Viçosa (UFV), mostra que essa revegetação emergencial contribuiu para o aumento da diversidade de microrganismos no solo, o que ajudou na produção de mudas que crescem mais rápido no ecossistema encontrado no rejeito. “A recuperação é possível e podemos, inclusive, acelerá-la”, explica a dra. Kasuya e complementa: “Não sei se vamos conseguir restabelecer as condições iniciais, muitas das áreas que foram afetadas pela lama não estavam em suas melhores condições, devido há mais de 300 anos de superexploração da bacia do Rio Doce”.

 
Arquivo
25 de novembro de 2019
A retomada da Floresta
15 de outubro de 2019
ODS Talks Abraps 2019
15 de outubro de 2019
Entrevistando Maurício de Souza
25 de fevereiro de 2019
Aposta em energia sustentável gera economia e rende prêmios
12 de setembro de 2018
Faltam apenas alguns dias para o dia Mundial da Limpeza
06 de setembro de 2018
Tecnologia que fortalece a reforma ambiental global
27 de agosto de 2018
Uma viagem para a maior criação da humanidade - a Mancha de Lixo do Pacífico Norte
23 de agosto de 2018
Falta menos de um mês para o Dia Mundial da Limpeza
21 de agosto de 2018
Abraps terá participação destacada na Virada Sustentável 2018
18 de agosto de 2018
Abraps na Virada Sustentável: Prêmio Abraps irá contemplar profissionais que atuam em prol do Desenvolvimento Sustentável
16 de agosto de 2018
Um trote diferente nas unidades da FMU: Limpa Brasil faz ação com calouros da Universidade
30 de junho de 2018
Coordenadora do
Let´s Do It visita o país e apoia ações do Limpa Brasil
28 de junho de 2018
Carta pelo Não Uso Político da Secretaria de Meio Ambiente
18 de junho de 2018
Encontro de Lideranças Femininas destaca Projetos de Empoderamento e Geração de Renda
15 de junho de 2018
Workshop discute os 6 anos do Código Florestal com a imprensa
13 de junho de 2018
Comunidade se mobiliza para ter o Rio Pinheiro vivo e sem lixo
06 de junho de 2018
20º FICA: a perfeita combinação entre arte, cultura e sustentabilidade
05 de junho de 2018
Biocicla na Virada Feminina: Transformação de materiais é oportunidade para o empoderamento das mulheres
28 de maio de 2018
Abraps apresenta sondagem sobre o perfil do profissional de sustentabilidade no Brasil
25 de maio de 2018
Estudantes de Boa Vista participam de ação de limpeza na comunidade com o apoio do Limpa Brasil e da Celpe
16 de maio de 2018
Mulheres em situação de rua recebem atendimento de entidades em SP
 

2011 ~ 2018 - EcoCanto21
Reinaldo Canto
Todos os direitos reservados - www.ecocanto21.com.br
29 usuários online

Desenvovido por Tecnologia